4.4.08

e em Junho havia tantos lilases
que o brilho do mundo se fez turquesa






Cada momento passado juntos
era uma celebração, uma Epifania
nós os dois sozinhos no mundo.
Tu, tão audaz, mais leve que uma asa,
descias numa vertigem a escada
a dois e dois, arrastando-me
através de húmidos lilases, aos teus domínios
do outro lado, passando o espelho
.


Arseni Tarkovski
in Nostalghia, Andrei Tarkovski







fotografia de dense_fog

6 comentários:

Ciranda disse...

Lilases! Vou encher uma jarra deles, agorinha mesmo. São brancos, mas suponho que o aroma te deliciasse da mesma forma.

Falas de epifania e eu fico triste. Tenho de mudar a minha perspectiva.

Filipe Oliveira disse...

não abras dumuro pode ser um virus

musalia disse...

obrigada, Filipe! já o apaguei (e o nome continua, o mesmo, quando o cursor passa...)

bjs.

musalia disse...

ciranda, Nostalghia, faz jus ao título. Tarkovski e o poema nele dito e que aqui deixei excertos.

CNS disse...

Lembrei-me de uma estória que lia em criança, sobre alguém que se perdia numa floresta de lilases... :)

musalia disse...

talvez Alice, nunca me canso de a ler (e ver). gosto muito do gato, do seu cantar.
:)