5.4.08

logo atrás de ti
Esta dor não passa quando adormeço
chora ao pé de mim
irremediável

alguém nos toca o ombro e
damos por nós mais sozinhos

o meu lugar na morte
é junto da janela
logo atrás de ti.


Mário Rui de Oliveira




aguarela de João Lemos, Sivaratri (Lua Selene)

8 comentários:

laerce disse...

que tristeza é esta? Esta um lindo sol aqui no norte.

A imagem é intrigante ou integrante, se virmos pelo lado literário ou linguístico.

o poeta equivocou-se, a morte não tem lugares marcados.

Bom domingo.

Beijinhos

Nilson Barcelli disse...

Poema desconcertante, mas bom.

Beijinhos.

firmina12 disse...

muito bonito e de alguém que não conheço

petroy disse...

a dor ... um toque de claridade ... e as coordenadas

musalia disse...

chove, muito. ou choveu. o vento continua. dentro e fora, não sei onde.
a morte às vezes joga xadrez connosco (assim contou Bergman)

beijinhos, laerce.:)

musalia disse...

'bom'?!
pois é, tu e o que coloco no blog...

beijos, nilson.

musalia disse...

alguém me o deu a conhecer. um tempo atrás. lê, vais gostar, firmina12 :)

musalia disse...

a dor é sempre tão reveladora, porque será? chamada à realidade, pelo choque emocional?
quem pode rsponder, petroy?
:)